saúde

Proteção solar em bebês e crianças exige o uso de filtros físicos

Proteção solar em bebês e crianças exige filtros específicos. São os chamados filtros “físicos” formam uma barreira na pele capaz de refletir a radiação UVA e UVB e são mais apropriados para a pele sensível das crianças e bebês

 

O verão está chegando e, com ele, aumentam as atividades realizadas ao ar livre e a exposição ao sol, seja na praia, na piscina ou em um passeio no parque. Temperaturas mais elevadas exigem proteção redobrada e, por isso, é fundamental intensificar o uso de filtro solar especialmente em bebês e crianças, que apresentam pele mais sensível que a dos adultos. De acordo com estudos e com a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), cerca de 75% da radiação acumulada durante toda a vida ocorre até os 20 anos – o que reforça a importância de manter a pele protegida desde muito cedo, evitando danos a longo prazo como o envelhecimento cutâneo precoce e o risco de desenvolvimento de câncer de pele.

Vale ressaltar que existem protetores solares mais indicados para o uso em crianças e bebês – os chamados protetores físicos – filtros que apresentam uma textura mais consistente, formando uma barreira na pele capaz de refletir a radiação UVA e UVB. As chances da criança apresentar sensibilidade ou alergia são menores do que com o uso dos protetores para adultos, que em geral são químicos e podem ser mais agressivos para a pele.

Para Juliana Machado, dermatologista e gerente médica da Bayer, é fundamental que as crianças entendam desde cedo a importância de proteger a pele. “O protetor solar deve ser incorporado à nossa rotina a partir dos seis meses de idade. Os pais devem dar preferência às fórmulas hipoalergênicas e resistentes à água, garantindo a proteção da pele em qualquer situação”, afirma. A médica destaca, ainda, que existem formas de potencializar a proteção da pele. “O uso de chapéus e roupas de algodão, que retêm boa parte das radiações UV, protegem a pele e diminuem o risco de queimadura solar, por exemplo”.

Aqui algumas dicas simples e que podem fazer toda a diferença na proteção das crianças:

  1. Aplicar o protetor de forma uniforme e em quantidade generosa antes da exposição ao sol e reaplicá-lo a cada duas horas ou logo após a criança entrar na água, secar-se com toalha ou suar.

2. Não esquecer de aplicar nas dobrinhas, orelhas e pés;

3. Bebês com menos de seis meses só podem usar protetor solar sob orientação médica, por isso, opte por preservá-lo da incidência direta do sol; a partir dos seis meses opte por um protetor solar específico para bebês.

4. Os filtros solares para crianças e bebês geralmente têm a textura um pouco mais espessa do que os filtros solares dos adultos. Isso se deve ao fato deles serem compostos por filtros físicos e não químicos, o que deixa a pele com o aspecto mais esbranquiçado, mas minimiza a chance de reações alérgicas.

5. Devido a pele delicada das crianças e bebês, procure por filtros hipoalergênicos, dermatologicamente testados e de preferência sem fragrâncias e corantes para evitar reações alérgicas. É interessante também a fórmula ser “livre de lágrimas” para evitar irritação caso o produto entre em contato com os olhos.

6. Evitar os horários com mais intensidade solar, principalmente entre 10h00 e 16h00; e não abuse do tempo de exposição.

7. Na dúvida, um pediatra ou dermatologista poderá indicar o tipo de filtro solar mais adequado para a pele da criança;

Previous Post Next Post

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply