diário

Como dois personagens

“Toda a poesia é feita de traição

e ao que somos fiéis já não sabemos
da terra de que vimos só retemos memórias que nos duram sem razão….
É infiel ao verso a poesia
nela se apura a noite contra o dia
e a nós mesmos nos trai o coração.”
Quem escreveu foi um rapaz chamado Luís Filipe Castro Mendes. Não sei quem é. Não tenho idéia, mas me chamou atenção pelo atoleiro de palavras com imenso sentido.

Sentido porque juntei com uma história, que tentava ser poética, que li outro dia sobre dois personagens. Foi uma delas que deu idéia de fantasiar-se de outro assim poderiam permitir liberdades numa simples amizade. Liberdades como voar mais, se divertir mais e até desfrutar mais um ao outro. Se não fossem dois personagens eu chamaria isso de traição. Por debaixo da mesa.

Previous Post Next Post

You Might Also Like

1 Comment

  • Reply Carolina fevereiro 29, 2008 at 7:11 pm

    isso tudo porque, cada um carrega o personagem que nos convé…
    e as amizades, não sei se são simples, afinal somos todos tão complexos

  • Leave a Reply